Inicio | | Viagens | | Voltinhas | | Manutenção | | TUGATECH | | História da XT |  VELA 

sexta-feira

Construção dum "Navio"...


Introdução:

Uma coisa que me fascina nas viagens de Mota,
é o exercício de ir longe com apenas alguns trocos (isto se esquecermos o custo da gasolina);
Se formos à vela a coisa entra noutro mundo, onde conseguimos vadiar um fim de semana com 1 ou 2 €uros no bolso, e por vezes nem os gastamos ou temos forma de os gastar...

Decidi que vou construir um "Navio"
a partir do zero com o que tiver à mão;

- e porquê? e porquê construir em vez de comprar?!?
... pois, é uma boa pergunta! e não sei ao certo...
Talvez porque a gente somos aquilo que fazemos, aquilo que descobrimos e encontramos;
talvez porque fazer nascer algo dá-nos felicidade... 
e já começamos a construí-lo, e também já aprendemos que afinal esse tipo de "felicidade" dá bué de trabalho, eheheheh


Mas voltando ao inicio, pensem comigo:

 - Que tipo de embarcação vem à nossa ideia quando os meios são poucos? 
 - Uma jangada!! não é?! claro que é!! 


A jangada deve ser a embarcação mais antiga que reza a historia!
...e digo mais... 99% dos filmes que vi de náufragos que querem salvar-se duma ilha deserta constroem uma jangada; tirando o filme do Harrison Ford (7 dias 7 noites) que construiu um hidroavião.

A jangada é uma plataforma que  respira estabilidade (dentro do possível),
embora tenha a velocidade duma alforreca.



Se queremos uma coisa rápida, do tipo "carapau de corrida", escolhemos uma piroga que deve ser a segunda embarcação mais antiga do mundo, e também relativamente acessível  de se construir com poucos meios...


Então porque não vamos misturar esses dois estilos (jangada + piroga) para se fazer uma "Alforreca de corrida do caraças..."

Ou seja, vamos construir um Catamarã, usando duas pirogas amarradas para combinar a estabilidade com a rapidez.


10 Dezembro 2017
Depois de muito pensar...

Depois de muitas contas ao dinheiro que podia ou não gastar...
Depois de lidar com algumas frustrações ou realidades, que não paravam de encolher o projecto;
Pedi um carro emprestado e dei o 1º passo...
fui comprar as primeiras madeiras...





Como diz um fado da Amália, "Não é uma desgraça ser-se pobre",
em situações raras pode ser uma tristeza do caraças... mas desgraça é que não é!!
Julho e Agosto consegui trabalhar 12 horas quase todos os dias... e em Outubro foi mais do mesmo;
Ganhei uns "trocos extra" e em Dezembro consegui comprar quase toda a madeira que penso ser necessária.

Fiz uma estrutura para elevar o Bote, e ganhar espaço,
                                e com as "mangas bem arregaçadas" começamos a obra...
14 Dezembro 2017





Foto:
 O Navio e as suas características
Foto:

Requisitos que o "Navio" tem que cumprir:

- Construído pelas minha mãos
     (porque não encontro quem  o faça de borla)
- Baixo orçamento
     (e nem vale explicar porque tem de ser baratuxo)
- Em madeira
     (porque flutua)
- Estável e com um baixo centro de gravidade
     (seguro o suficiente para não se baldar com ventos fortes)
- Rápido com pouco vento e muito rápido com muito vento
      (mas que admita distracções e erros)
- Fácil de manobrar
      (velas que podem ser  rapidamente subidas ou descidas, e em andamento)
- Leve ou com um peso máximo de uns 100kg
      (para poder ser arrastado por uma pessoa para fora de agua)
- Que possa ser guardado numa pequena garagem
      (e a garagem que o vai receber é mesmo pequena)
- Baixo calado e sem quilha ou patilhão
      (para velejar em aguas baixas e que consiga entrar e sair da areia duma praia com ondas)
- Com uma capacidade de carga de +/- 200kg
      (dá para levar a "tralha" habitual ou para passear com minha "Maria" ou os "putos")
- Com possibilidade de cozinhar e dormir a bordo
      (que ainda não sei bem como vou fazer isso, mas vou...)

...e a lista não se fica por aqui, continua e continua...


Comprimento - 4,3 m / Largura - 2,5 m / Calado máximo - 25cm / Área vélica - 10 m2




Foto:
 ...e mãos à obra
Foto:

A minha experiência nestas coisas da madeira é muito pouca,
e nem vou tentar fazer disto um tutorial...
mas fica uma ideia dos passos que já demos e que estamos a dar,
vou actualizando o post conforme ele for crescendo...

Começamos por fazer uns moldes à escala real em papel...
                                                                                         Roda de proa e leme
8 Janeiro 2018



A madeira escolhida foi contraplacado marítimo e tábuas de casquinha.
O contraplacado é de bétula laminado com cola fenólica, que nos vai dar boas garantias de qualidade.

Comprei umas tábuas enormes com 5,4 metros por 30cm, que foram transformadas em ripas de varias medidas... Foi uma verdadeira dor de cabeça ter que cortar isto às postas e tiras, mas lá se fez...

40 metros de 10mmX25mm
30 metros de 70mmX25mm
20 metros de 25mmX25mm
15 metros de 45mmX25mm
14 Janeiro 2018



Temos 2 chapas de contraplacado de 6,5mm + quatro de 4mm + uma de 12mm
Agora era optimizar da melhor forma a termos o melhor aproveitamento e começar a cortar...
26 Janeiro 2018




Fizemos um bordo (um lado) do catamaran...
22 Janeiro 2018




e o esse 1º lado serviu de referencia para cortar e dar o acabamento aos outros 3 lados,
para tal improvisou-se uma bancada que ajudou na tarefa...
23 Janeiro 2018




Com uns cavaletes e uns painéis que me deram, fez uma bancada com 4 metros
e comecei as colagens e união dos bordos e por fim do verdugo...
29 Janeiro 2018




Agora a atenção vira-se para as anteparas (que vão ser 4 por casco),
para a roda de proa, popa, lemes e quilha (tudo vezes dois e usando o contraplacado de 12mm)

Ter parafusos fixos à madeira ou furos em madeiras que andem em contacto permanente com a agua é problema ou fonte de infiltração, encamisamos os furos da fixação dos lemes com époxi.
13 Fevereiro 2018




Agora começa-se a juntar tudo, rodas de proa, popa, quilha, bordos...
e junta-se tudo usando furos e arames de corte.
26 Fevereiro 2018




...depois as anteparas e por fim o casco toma forma.
Ajusta-se todos os arames com o aperto "qb",
ou seja aperta-se apenas o suficiente até tudo ficar encostado.
26 Fevereiro 2018


26 Fevereiro 2018



3 Março 2018
E começa-se com as colagens usando époxi,
a colagem depois de curada é super forte, e também super cara...

A "cola" é uma mistura de resina époxi de dois componentes misturada com micro esferas;
ou seja époxi Sicomin SR5550/SD5505 com Treecell que é microfibra de celulose pura.

O resultado, as forças que suporta é surpreendente e de grande qualidade.

3 Março 2018




Para acelerar a cura devemos garantir uma temperatura acima dos 20ºc
e bastou improvisarmos uma estufa com lâmpadas e velhos sacos de plásticos
28 Fevereiro 2018



7 Fevereiro 2018
Para melhorar e facilitar a mistura da resina époxi com o endurecedor, construímos uma estufa com wallmate, uns arames espetados, fita americana e uma lâmpada de 40w, que eleva a temperatura da pequena caixa de wallmate para uns 45 a 50ºc

As quantidades ou proporção de resina com endurecedor é feita com uma pequena balança de cozinha que pesa de grama em grama.




O tempo que necessitamos para cortar e unir as madeiras, é algum e dá também algum trabalho;
mas o tempo que devemos dar às curas das colagens é enorme, ou seja por vezes 1 ou 2 dias...

Onde se "perde" também muito tempo, é a criar condições para fazer-mos as tarefas;
as ferramentas que tenho são muito básicas, e diga-se também que não sou nem nunca fui carpinteiro.

Temos criado algumas ferramentas.
Exemplo: uma espécie de plano que rectifica as peças.
13 Fevereiro 2018
 

17 Março 2018
...e porque os compassos são caros e pequenos, fizemos um grande que funciona perfeitamente.

Se é tempo perdido criar estas pequenas coisas que se podem comprar? - talvez seja!
mas na realidade são feitas com coisas que já tenho ou que são recicladas, e perde-se tempo mas economiza-se uns bons trocos para o resto.







Começa-se a planear e aplicar reforços e onde colocar escotilhas de vigia.
11 Março 2018


13 Março 2018






Preparação do casco de estibordo...
14 Março 2018




O inverno de 2018 tem sido chuvoso e tem atrasado e dificultado os trabalhos,
e aproveitamos para fazer pequenas peças como por exemplo o reforço da figa mestra;
o nome técnico em Português eu não sei qual é, mas em inglês chama-se "Dolphin Striker"




E mais um pequeno moitão, que será usado para hastear a bandeira,




Planeia-se a fixação articulada dos lemes...









A "obra" tem recebi muitas visitas, a Malta do costume tem aparecido em força;
embora tudo tenha sido feito por mim, o pessoal tem sido incansável a ajudar, ou pode-se dizer a patrocinar, com sugestões, a emprestar ferramentas, etc etc...
Posso dizer, que sozinho teria sido muito mais difícil de ter chegado até aqui com a construção...
Ainda não comprei uma lixa uma serra e tem sido tudo dado ou emprestado por Amigos(as)...
25 Março 2018




Depois de impermeabilizarmos o casco por dentro com epoxi, foi pintado, mas apenas por dentro.
Março 2018




Montar ou colar o deck principal que é curvo, deu alguma luta... mas lá se fez...
Março 2018







Fizemos duas pequenas peças para segurar o casco inclinado,
...e agora viramos a atenção para o outro casco...
e vai de furos, furinhos, para os arames... e tira medida aqui e ali, que os casco têm que ficar iguais com uma tolerância máxima de 1mm (exigência da casa)
3 Abril 2018



Duas horitas depois (mais coisa menos coisa) temos tudo pronto para colar...
(bordos, quilha, anteparas, roda de proa e popa, etc etc)

Lembro-me que comecei a colar (filetes de epoxi) por volta da meia noite e terminei às 5 da manhã do outro dia;

e nos dois dias seguintes a garagem teve sempre uma temperatura ambiente entre os 20 e 25ºc




Pela primeira vez coloquei os cascos lado a lado,
e foi uma enorme alegria... deu para sentir o gosto do que iria ser...
7 Maio 2018




Quando eu era "chavalinho" pequenino (com os meus 11 anos), e andava no ciclo, lembro-me que na disciplina de "Trabalhos Manuais" mandaram-me fazer uma caixa de madeira... e foi a coisa mais torta e mal feita que à registo na escola...
Essa caixa ainda é viva, e é caixa de costura da minha Mãe. A  caixa nunca se despregou embora tenha caído varias vezes no chão.
Nesse ano letivo fiz outros trabalhos que acabaram sempre mal, e o professor já nem me passava "cartuxo", do tipo, este miúdo não nasceu para fazer coisas e tal...

A vida dá muitas voltas... e talvez a motivação não existi-se na altura, porque o "3" para passar de ano nessa disciplina era garantido. Talvez tenha sido por isso...
7 Maio 2018



Estaleiro Naval onde a administração se preocupa com o bem estar dos funcionários... eheheheh
7 Maio 2018



Agora é duplicar as peças, ou neste caso a coberta de popa e os reforços...
"duplicar" é sinonimo de "fácil", e já não perdemos tempo a pensar como planear a coisa...
Maio 2018



Cada casco vai ter 5 compartimentos estanques...

ou sejam, serão 10 no total com a possibilidade de levar coisas no interior Algumas escotilhas serão também usadas como pequenos bancos.

A coisa foi planeada assim:
- vai ter 3 lugares a bombordo e mais 3 a estibordo,
- 1 lugar para remar e outro para fazer leme com ventos fortes,
- e mais 1 lugar para velejar descontraído com ventos fracos...
ou seja, 6 lugares à escolha para velejar sozinho eheheh...








12 Maio 2018




Como o espaço da doca seca é pequeno, construirmos um pequeno suporte com rodas
que tem sido muito útil e pratico.
12 Maio 2018


02-05-2018


02-05-2018


02-05-2018





TÓPICO EM CONSTRUÇÃO 

TÓPICO EM CONSTRUÇÃO 

TÓPICO EM CONSTRUÇÃO